3 dicas para não ser enganado pelos rótulos

Eae, gente. De boas?

Quando iniciamos a jornada para melhorar nossa alimentação, começamos a nos interessar pelos rótulos dos alimentos que vamos consumir. Talvez para checar as calorias, ou a quantidade de carboidratos, gorduras e proteínas, ou só para dar uma conferida se os ingredientes não se parecem com uma poção de bruxa.

witch_caldron_gif

Agora uma pitada de benzoato de sódio e emulsificante lecitina de soja

  1. INGREDIENTES

A lista de ingredientes é a parte mais relevante a se considerar quando for comprar um produto. Os ingredientes são listados em ordem decrescente de quantidade, ou seja, o ingrediente mais presente no produto aparece sempre em primeiro lugar.

Muitas vezes, um produto que achamos ser natural, como um requeijão, por exemplo, pode conter amido modificado e gordura vegetal hidrogenada. Estes ingredientes são desinteressantes para quem busca uma boa saúde.

ingredientes requeijão itambé ervas finas

Se olharmos apenas para a  tabela nutricional dos alimentos, podemos levar para casa itens com baixa caloria (ou baixo carboidrato, ou gordura), mas com ingredientes potencialmente cancerígenos, como corante caramelo-4 (presente na Coca Cola).

Dica: se o produto possui ingredientes que você não consegue pronunciar, ou não sabe o que é, não compre.

Não seja um rebeldinho.

2. O RÓTULO MENTE

Os rótulos são propagandas, são bonitos e chamativos. Se o objetivo for atrair o público infantil, colocam o personagem da moda e se o alvo for a população que minimamente se preocupa com a saúde, aparecerão informações como: sem adição de açúcar, diet, light, menos calorias, menos sódio, etc.

Imagine a cena: você está fazendo compras no mercado, seu carrinho está cheio de brócolis e, na hora de passar no caixa, junto daquele monte de sonho de valsa, você se depara com isso: “PAÇOQUITA DIET SEM ADIÇÃO DE AÇÚCAR PARA DIETAS DE INGESTÃO CONTROLADA DE AÇÚCARES”.

PAÇOQUITA DIET INGREDIENTES

Caraca, moleque, se no rótulo do alimento está “sem adição de açúcar”, você imagina que… não tem açúcar certo?! HUAHUA Mas, como você está esperto, resolveu checar os ingredientes e achou MALTODEXTRINA como segundo ingrediente mais presente.

PAÇOQUITA DIET INGREDIENTES TABELA

 

Maltodextrina é açúcar! O nome só não é açúcar porque não vem da cana-de-açúcar, a maltodextrina vem do extremo processo do milho. Propaganda enganosa? Nops. A maltodextrina pode se enquadrar como conservante (!!!). Está vendo a importância de ler os ingredientes e de não levar para casa o que você não conhece?!

A maltodextrina também é vendida como suplemento para atletas para ganhar massa muscular, por essa característica de elevar a glicose sanguínea (exatamente o que você não não procura se quiser perder gordura). Um atleta com baixo percentual de gordura, alta sensibilidade à insulina e que quer gastar dinheiro com açúcar de milho sabor Tang (kkkk, brinks) pode consumir a maltodextrina para facilitar o ganho de massa magra.

Além da maltodextrina e de outros açúcares escondidos, tome cuidado também com produtos adoçados com mel, açúcar de coco, açúcar orgânico…. Eles engordam igualzinho 🙂

3. ZERO NEM SEMPRE É ZERO

Fique atento às porções consideradas pelo fabricante. Muitas vezes, para poder anunciar que o alimento é “zero” algo, o fabricante considera uma porção pequena do produto. Então, comer grandes quantidades de algo intitulado “zero” pode ser prejudicial.

arredondar para zero

zero

 

4. BONUS: VD*

Você já percebeu que, na tabela nutricional, ao lado da quantidade de cada nutriente, existe uma porcentagem, chamada VD*?
Segundo a Agencia nacional de vigilância sanitária (ANVISA) os Valores Diários (VD) são as quantidades dos nutrientes que a população deve consumir para ter uma alimentação saudável. 

VD tabela nutricional

Os VD sugeridos para uma alimentação saudável são (dieta de 2000Kcal):

Carboidratos – 300 gramas 

Proteínas – 75 gramas

Gorduras totais – 55 gramas

Gorduras saturadas – 22 gramas

Colesterol – 300 miligramas

Fibra alimentar –25 gramas

Cálcio – 1000 miligramas

Ferro – 14 miligramas

Sódio – 2400 miligramas

Outros minerais e vitaminas (quando declarados): Regulamento Técnico de Ingestão

 

O VD teve origem nos EUA, na época da segunda Guerra Mundial, já falei neste post sobre a pirâmide alimentar e, aqui nos rótulos, a história se repete. Os rótulos brasileiros seguem, até hoje, o que as recomendações para a alimentação da população em guerra dos EUA. Hehe, POIS É.

Agora vejam só o que recomenda a Federação dos Body Builders (federação de fisioculturismo): o ideal é ingerir de 2 g [de carboidratos] para quilo (no mesmo esquema que as proteínas), ou, para um treino mais intenso, a ingestão de 4 g para cada quilo. Ou seja, um aluno que tem 80 kg deve ingerir 240 g diários de carboidratos complexos. 

Sim, a população, incluindo os diabéticos (Associação Brasileira de Diabetes) são instruídos a comer como fisioculturistas. Se você come como um fisioculturista e não se exercita como um, o que acontece?

bacon

 

Que tal seguir a curva da ingestão de carboidratos proposta pelo Mark Sisson (pesquisador) e traduzida por mim?! 

Carb_Curve_

 

 

Está com preguiça de ler os rótulos? Esqueceu os óculos e não consegue ler? Que tal consumir alimentos sem rótulo? Sua saúde agradece!

Eae, o que você achou do post? Aprendeu algo? Se você aprendeu, que tal passar a informação para a frente? Fale sobre isso com as pessoas, compartilhe o post, comente aqui, movimente esta informação 😀